A importância do psicólogo no tratamento do autismo

Dentre os transtornos do desenvolvimento infantil, o autismo destaca-se pelas alterações nas habilidades sociais e comunicativas da criança, de modo que a contribuição do psicólogo no seu tratamento é muito importante e eficaz.

Segundo a Revista Autismo, uma pesquisa realizada recentemente nos EUA revelou que há um caso de autismo para cada 68 crianças de 8 anos. Tal proporção é tida como próxima da realidade no Brasil, onde se estima que haja 2 milhões de pessoas vivendo com o transtorno. No post de hoje, conheça mais sobre a importância do psicólogo no tratamento dessa condição.

Causas do autismo

Embora suas causas permaneçam indefinidas, apesar de intensa pesquisa, entende-se que o autismo é uma síndrome comportamental identificada até o terceiro ano de vida resultante de alterações orgânicas de origem genética.

A sintomatologia reúne desajustes típicos na interação social, na comunicação e no comportamento da criança, que apresenta ações repetitivas, inabilidade para estabelecer vínculos afetivos e dificuldades com a comunicação verbal e não verbal.

A indefinição das causas e a amplitude dos sintomas geram muita ansiedade nos pais, demonstrando o quanto a atuação do psicólogo é fundamental, desde a fase diagnóstica até o tratamento multidisciplinar.

Abordagem comportamental é a chave para tratamento

Quanto antes for diagnosticado, mais efetivo será o seu tratamento do autismo, no sentido de apoiar o desenvolvimento da criança de acordo com suas limitações, habilidades e demandas específicas.

A compreensão cognitivo-comportamental do autismo faz-se necessária frente à diversidade de padrões comportamentais apresentados e ao impacto destes no alcance da aprendizagem e da sociabilidade pela criança.

Para isso, o psicólogo faz a análise funcional de cada paciente, de modo a identificar os problemas e delimitar a abordagem mais adequada, estabelecendo objetivos e procedimentos da intervenção terapêutica, sem desconsiderar a reavaliação constante, de acordo com a resposta da criança ao tratamento.

Nesse sentido, a capacidade do psicólogo para perceber as sensações e reações da família, sobretudo dos pais, é fundamental. Além disso, é preciso que o profissional esteja em sintonia com os estudos e discussões sobre o tratamento do autismo, de modo a validar sua ação.

A metodologia TEACCH

Dentre as abordagens cognitivo-comportamentais está a metodologia TEACCH (Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Déficits Relacionados à Comunicação, na tradução para o português) um programa cognitivo-comportamental cujo objetivo é promover o máximo de autonomia e independência possível junto à criança autista, a partir de um processo individualizado no qual os pais atuam como co-terapeutas.

A intervenção é planejada a partir de uma avaliação PEP-R (Perfil Psicoeducacional Revisado), considerando as dificuldades e as potencialidades da criança. O treino das habilidades sociais acontece em um espaço organizado, no qual a rotina de tarefas é apresentada à criança em quadros, com foco no estímulo visual.

Atuando por meio do TEACCH, o psicólogo promoverá a adaptação do ambiente às necessidades da criança, promovendo a diminuição dos sintomas e o desempenho das tarefas diárias com o menor desajuste possível.

Gostou deste conteúdo? Compartilhe nas redes sociais e contribua para a disseminação do tratamento do autismo. A partilha de informações e experiências consolida o aprendizado e promove a valorização da psicologia.

Conheça o curso de capacitação sobre o Autismo do Ciclo CEAP

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *