Psicologia Jurídica no Brasil

A Psicologia Jurídica surgiu de um chamamento ao ingresso do Psicólogo em áreas originariamente destinadas as práticas jurídicas. Essa demanda coloca exigências específicas, ditadas pelo Direito, mas é mister admitir que o ingresso da Psicologia no mundo jurídico precisa encontrar seu motor próprio, já que sua impulsão advém de um compromisso com o sujeito que é, por excelência, de outra ordem. Não há conflitos insuperáveis aqui, mas há sem dúvida interseções de peso que merecem exame.

O livro reúne textos sobre temas diversos relacionados à atividade do psicólogo jurídico. Cada autor faz panorama histórico de sua área de atuação e analisa criticamente o papel do profissional. Discute a prática da psicologia jurídica e as alternativas técnicas, éticas e políticas da profissão.

Psicologia Jurídica no Brasil
/ organização Eduardo Ponte Brandão, Hebe Signorini Gonçalves. – 
Rio de Janeiro: NAU Ed., 2004
341p.: – (Ensino da psicologia)
Inclui bibliografia
ISBN 85-85936-55-X
1. Direito – Aspectos psicológicos. 2. Psicologia forense
I. Gonçalves, Hebe Signorini, 1956. II. Brandão, Eduardo Ponte III. Série
Artigo anteriorPróximo artigo