Verdades Secretas – Uma reflexão sobre o abuso sexual

Fonte: Gshow

Tenho ouvido muitos comentários sobre uma mini série que está sendo exibida pela Rede Globo, chamada Verdades Secretas. Por perceber a grande polêmica que está causando, procurei saber sobre o por quê do envolvimento de tantas pessoas discutindo os temas apresentados nesta obra. Ouvi atentamente alguns comentários, assisti alguns capítulos, e acabei achando a trama principal interessante de ser discutida, pois trata de um tema muito importante para ser compreendido pela sociedade como um todo.

A trama principal refere-se a questão do abuso psicológico seguido do abuso sexual praticado por um homem maduro com uma adolescente de 16 anos.

A história trata do universo das modelos, cenário que serve como pano de fundo para o enredo principal, que é o relacionamento do personagem Alex, homem muito rico e sem escrúpulos, que se envolve com a modelo adolescente Angel, que trabalha em uma agência, que estimula e explora a prostituição de luxo através das moças que, paralelamente, buscam o sucesso no mundo das passarelas.

Este homem, a princípio, não quer envolvimento afetivo com a garota Angel, que é contratada como sua acompanhante através da agência de modelos. Encantada com o relacionamento, Angel se apaixona por ele e sonha com um namoro sério e casamento. Ao se decepcionar, vendo que ele não quer compromisso, ela se afasta e segue sua vida. Com esta atitude, ela desperta em Alex uma frustração, que faz com que ele tente de todas as formas tê-la de volta. Ao perceber que todos os seus esforços de reatar o envolvimento são inúteis, ele arma um plano para ter a menina por perto. Nenhum princípio moral o impede de se aproximar, namorar e casar com a mãe dela, uma mulher carente, simples e sem posses. Ele se faz de homem bom e apaixonado pela esposa, mas na verdade o “alvo” é a filha dela que começa a ser assediada e seduzida por ele de todas as formas. A menina a princípio o rejeita, mas a força sedutora do homem experiente faz com que ela ceda ao assédio, e os dois começam a ter um “caso” secreto, extremamente intenso e perigoso.

A culpa e o conflito interno fazem com que a menina tente se afastar, mas a força da atração física, a persuasão e as ameaças do padrasto são mais fortes do que ela.

Podemos observar que antes do abuso sexual, há um abuso psicológico que torna a situação ainda mais grave. O homem se aproveita da vulnerabilidade, imaturidade e dependência emocional da menina para obter prazer sexual. Assim, ele conquista a conivência dela, e usa a sua inexperiência de vida e a sua sexualidade ainda aflorando para realizar seus desejos. Traz a menina seduzida ao lugar de agente do envolvimento e cúmplice da situação, sendo que ela, devido a sua idade e imaturidade, é apenas a vítima.

Ela já tem conhecimento suficiente para que reconheça a inadequação e a estranheza do que está acontecendo, e sente uma angústia muito grande pela culpa que tem, porque sente também muito amor pela mãe e ao mesmo tempo muito prazer no contato sexual com o padrasto.

Ela não sabe o que fazer com estes sentimentos contraditórios, e o silêncio se instala, apesar dos estragos que esta situação causa na alma desta adolescente abusada.

Costuma-se pensar que o abuso sexual se dá sempre de forma forçada e agressiva, mas existe a outra face da moeda, ainda mais cruel, porque pode levar a sociedade a enxergar a vítima como corresponsável pelo abuso.

E a mãe da adolescente nisto tudo? Está cega que nada vê?

Não! Ela percebe, mas não acredita nos sinais evidentes do que está acontecendo. Às vezes a dor de enxergar a realidade é grande demais para suportar. Assim, o”nada ver” e o “nada saber” passa a ser a opção mais fácil.

Mas qual será o preço que as pessoas envolvidas podem pagar?

Qualquer semelhança entre esta ficção e a vida real não é mera coincidência.

Esta história poderia ser a de milhares de meninas, que são abusadas psicologicamente e sexualmente em diversos lares de todas as partes do mundo, em todas as camadas sociais.

Somente a discussão aberta sobre todas as facetas do abuso sexual por profissionais da saúde e por toda sociedade pode trazer esperança para que esta prática seja compreendida e possa fazer cada dia menos vítimas em nosso mundo.

Luciana Lemos

Escreva para o Blog do Ciclo CEAP: saiba como

Artigo anteriorPróximo artigo

13 Comentários

  1. Muito bom, infelizmente a nossa sociedade machista sempre nos faz enxergar a mulher, que é vítima como autora e culpada, e seu texto faz a reflexão correta sobre isso, mostrando a imaturidade da personagem mulher, menor de idade, sendo persuadida por um homem rico, maduro e poderoso. Parabéns! Essa ideia sobre os tipos de abusos sexuais dever ser disseminada, para que possamos parar de ter uma imagem retorcida de algo tão grave e que deixa marcas tão profundas.

  2. Vocé poderia indicar livros ou artigo que tratem do abuso sexual no sentido de a sociedade não perceber que a vítima sofre do abuso? Pois, vc falou que os outros personagens da novela não percebeu os abusos que a Angel sofria e que a viram como se fosse mesmo uma mulher que sabia o que estava fazendo. Assim, pode ser que não só a sociedade, mas a própria vítima não perceba os abusos que sofre, ao contrário, se culpa é se responsabiliza pelo que aconteceu. Por favor, indique livros ou artigos. Agradeço desde já.

  3. Concordo em gênero, número e grau. Se tratando da personagem, o assédio moral, já começou com a história da casa da avó, do desespero da avó e da mãe por perder a casa, e uma garota de 16 anos, se viu na obrigação de salvar a situação.

  4. Acontece e muito, o problema do tabu, é justamente colocar a vítima como conivente do abuso, esquecendo do medo do receio das angustias e principalmente das frustrações. A vítima nunca é culpada. embora muitos associam a imagem e atitudes inocente como forma de sedução. E para evitar-se o abuso, isso deveria ser sempre abordado em escolas e no leito familiar.

  5. Sou estudante de psicologia e até a parte do abuso, concordo. Mas o fato da personagem conseguir assassinar o padrasto de maneira fria, sem remorcios e ainda se casar com o sobrinho tudo de forma estratégica. Isso não é patologia? Acho que fica claro o desencadear de um transtorno de personalidade o fato de ela conseguir manter uma relação com o padrasto e após toda essa série de tragédias, ainda ter essas atitudes. Se eu estiver errada, gostaria de entender, se possível. Obrigada.

  6. Penso que a estrutura familiar funcional é a maior responsável por educar em todos os sentidos, os filhos, fortalecendo-os para a vida, esclarecendo-os sobre as consequências de seus atos e de como preservar-se e defender-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *