Cibercondria: a hipocondria da era digital

Dr. Cristiano Nabuco

Se a hipocondria, crença infundada de que sintomas comuns podem indicar uma doença mais grave, já criava problemas expressivos aos pacientes e aos profissionais de saúde, a agora chamada cibercondria (hipocondria na era digital) tem sido então um tópico cada vez mais estudado pelos pesquisadores.

Quem nunca entrou na internet para investigar a respeito de seu problema de saúde?… É praticamente impossível achar alguém que nunca tenha feito isso.

Não que não seja legítimo e válido buscarmos informações, entretanto, para um grupo, isso pode se tornar um verdadeiro pesadelo. Para aqueles que são mais ansiosos por natureza e que já sofrem muito com a hipocondria, o acesso a centenas de informações pode acarretar ainda mais adversidades.

A cibercondria pode piorar as condições de saúde de muitos e gerar, de quebra, outros tipos de problemas. É, pelo menos, o que apontam alguns pesquisadores.

Um estudo feito na Universidade de Baylor, nos EUA, foi um dos primeiros a delinear um retrado mais claro do comportamento que surge, decorrente da evolução dos meios digitais. Publicado no periódico Cyberpsychology, Behavior and Social Networking, o trabalho descreve os gatilhos que levam uma pessoa a desenvolver cibercondria.

Como as pessoas ansiosas já apresentam uma maior dificuldade para lidar com temas que ainda lhes são incertos, a pesquisa na internet visa a apaziguar sua ansiedade pessoal, pois sem estas informações, dificilmente essas pessoas conseguiriam “se desligar”.

Ocorre que, na tentativa de se informar mais sobre sua doença, se deparam com algumas centenas (ou milhares) de explicações, desenvolvendo ainda mais ansiedade e criando, desta forma, uma verdadeira bola de neve.

Também batizado nos Estados Unidos por fenômeno “Dr. Google”, uma simples tosse por conta de um ar seco pode, através destas “pesquisas”, se tornar uma doença grave.

Outro problema que aumenta expressivamente os níveis de ansiedade destes pacientes é quando descobrem sintomas que são conflitantes, ou seja, quando aparecem em mais de um tipo de doença, gerando ainda mais angústia pessoal.

Bem, e para resolver estes impasses?…

Muitos pacientes dão início a uma verdadeira peregrinação por consultórios médicos e hospitais, desenvolvendo agora certas adversidades econômicas (como ter que pagar por exames e médicos especialistas mais caros), em sua tentativa desesperada de “confirmar” seu diagnóstico.

E o pior de tudo ainda não foi descrito. Sabe o que é? Ao utilizar as informações colhidas na internet (nem sempre verdadeiras, diga-se de passagem), esses pacientes “sozinhos” elaboram seu próprio diagnóstico pessoal e assim chegam nas consultas munidos de centenas de explicações, prontos para contrapor os profissionais em suas opiniões, criando problemas ainda mais complexos.

Se formos considerar que aproximadamente 8 em cada 10 pessoas com acesso à internet pesquisam informações sobre doenças online (dados americanos), é possível então que boa parte da população seja candidata a desenvolver a cibercondria.

Na pesquisa americana, feita com mais de 500 indivíduos, com média de idade de 30 anos e de ambos os sexos, algo comum entre eles era o fato de que a maioria afirmava ter necessidade imperativa de saber o que, efetivamente, “o destino lhes reservava”. Além disso, de acordo com os inventários aplicados, a maioria deles passava muito tempo do seu dia pensando sobre a própria saúde, se comparado àqueles que não usavam a internet para tais fins.

Bem sabemos que cada indivíduo tem um filtro pessoal de interpretação da realidade e, para os que acreditam firmemente “ter algum problema”, os piores prognósticos possivelmente serão os que se tornarão mais representativos em seus achados, isto é, ainda que estes pacientes encontrem, digamos, 90 artigos que relatem um bom prognóstico da “sua doença”, é provável que apenas aqueles que são mais negativos sejam efetivamente “valorizados” pelos pacientes.

Como resultado final, os profissionais de saúde acabam por encontrar alguns pacientes que sabem mais de suas patologias do que eles mesmos, que estudaram anos para isso, o que dificulta a criação de um bom vínculo de confiança entre profissional e paciente.

Indivíduos cibercondríacos podem sofrer de mais crises de estresse o que pode, evidentemente, piorar seu estado geral de saúde.

É possível que informações médicas disponíveis na internet precisem, no futuro, de algum tipo de regulação, na tentativa de proteger estas pessoas em seu processo de autodiagnóstico.

Enfim, é a tecnologia criando novos contornos a velhos problemas. Vamos ficar atentos!

Fonte: Uol

Cursos Relacionados:

Estresse – diagnóstico e intervenções terapêuticas

Artigo anteriorPróximo artigo