Comer menos contribui para o bom funcionamento e longevidade do cérebro

Comer demais pode causar o envelhecimento do cérebro, enquanto comer menos ativa uma molécula que ajuda o cérebro a se manter jovem.

Uma equipe de pesquisadores italianos da Universidade Católica do Sagrado Coração, em Roma, descobriu que esta molécula, chamada CREB1, é desencadeada por “restrição calórica” (dieta de baixa caloria) no cérebro de camundongos. Eles descobriram que a CREB1 ativa muitos genes ligados à longevidade e ao bom funcionamento do cérebro.

Este trabalho foi liderado por Giovambattista Pani, pesquisador do Instituto de Patologia Geral da Faculdade de Medicina da Universidade Católica do Sagrado Coração, em Roma, dirigido pelo Professor Achille Cittadini, em colaboração com o Professor Claudio Grassi, do Instituto de Fisiologia Humana.

“Nossa esperança é encontrar uma maneira de ativar a CREB1, por exemplo, por meio de novas drogas, de modo a manter o cérebro jovem, sem a necessidade de uma dieta rigorosa”, disse Pani.

A restrição calórica significa que os animais só poderiam comer até 70% dos alimentos que consomem normalmente, e é uma forma experimental conhecida para prolongar a vida, como pode ser visto em muitos modelos experimentais. Normalmente, os ratos de restrição calórica não se tornam obesos e não desenvolvem diabetes, além disso eles demonstram maior desempenho cognitivo e da memória e são menos agressivos. Além disso, eles não se desenvolvem, a não ser muito mais tarde, a doença de Alzheimer – e com sintomas menos graves do que os que ocorrem em animais superalimentados.

Muitos estudos sugerem que a obesidade é ruim para o nosso cérebro, que ela o atrasa, causa o envelhecimento cerebral precoce, tornando-o suscetível a doenças típicas de idosos como o Alzheimer e o Parkinson. Em contraste, a restrição calórica mantém o cérebro jovem. No entanto, o mecanismo molecular preciso que por trás dos efeitos positivos de uma dieta hipocalórica sobre o cérebro permanecem desconhecidos até agora.

A equipe italiana descobriu que a CREB1 é a molécula ativada por restrição calórica e que ela faz a mediação dos efeitos benéficos da dieta sobre o cérebro, ativando um outro grupo de moléculas ligadas à longevidade, as “sirtuins”. Este achado é consistente com o fato de que a CREB1 é conhecida por regular importantes funções cerebrais, como o controle de aprendizagem, a memória e a ansiedade, e a sua atividade é reduzida ou fisiologicamente comprometida pelo envelhecimento.

Além disso, os pesquisadores italianos descobriram que a ação da CREB1 pode ser aumentada dramaticamente, bastando reduzir a ingestão calórica, e eles mostraram que a CREB é absolutamente essencial para fazer com que a restrição calórica funcione sobre o cérebro. Na verdade, se os ratos não tiverem a CREB1, os benefícios da restrição calórica sobre o cérebro (melhoramento da memória, etc) desaparecem. Assim, os animais sem CREB1 mostram as mesmas deficiências no cérebro típicas de animais superalimentados e/ou idosos.

“Assim, nossas descobertas identificam pela primeira vez, um importante mediador dos efeitos da dieta sobre o cérebro. Esta descoberta

tem implicações importantes para desenvolver futuras terapias para manter o nosso cérebro jovem e prevenir a degeneração do cérebro e o processo de envelhecimento. Além disso, nosso estudo lança luz sobre a correlação entre doenças metabólicas como diabetes e a obesidade e o declínio nas atividades cognitivas”, disse Dr. Pani.

 

Fonte: Isaude.net

 

Artigo anteriorPróximo artigo