INDICAÇÃO DE FILME – O Enigma das Cartas

INDICAÇÃO DE LIVRO – Arrancar Máscaras! Abandonar Papéis! A comunicação pessoal em 25 passos
28 de maio de 2019
filme ela
Indicação de filme – Ela
28 de maio de 2019
Exibir tudo

INDICAÇÃO DE FILME – O Enigma das Cartas

o enigma das cartas

Tudo é amor!

Tudo é amor, nos ensina Bert Hellinger ao trabalhar com as famílias.

Maria Rosset, nos lembra que a família é autossuficiente para resolver seus próprios problemas.

E Fritjof Capra nos orienta que na relação terapêutica devemos intervir o mínimo possível.

Os três pilares da relação terapêutica

Amor, confiança e respeito são os três grandes pilares para uma ajuda eficaz. E como podemos ajudar o outro sem termos em nós estes três pilares?

Dependendo do nível da ajuda (de uma amizade até uma relação terapêutica) mais ainda estes pilares devem estar presentes, pois essa é a essência para que se encontre a solução.

Qual o resultado quando não observamos o amor, a confiança e o respeito em nós primeiro e em quem pretendemos ajudar?
A consequência direta é que damos o que não temos, ou seja, o que entregamos é falso, saímos enfraquecidos e no final damos aquilo que o outro não precisa.

Sobre amor e vínculos

Aqui, quando falamos de amor, estamos falando de vínculos. Se estamos cegos a eles, provavelmente, iremos projetar sobre o outro nossas queixas, dores e sofrimentos. O amor cego é egoico, pois não percebe o amor do outro por nós.

Se conseguirmos olhar com amor para os nossos vínculos ganhamos então habilidade para ajudar o outro a ver os deles também.

Confiança e equilíbrio entre dar e receber entre iguais

Restabelecido o amor podemos seguir para a confiança, que é a chave para acessar nossas próprias forças curativas. Quando fazemos isso, o outro sente segurança e permissão para fazer o mesmo. O maior ganho é ajustar o nível onde a ajuda efetivamente acontece, o nível de equilíbrio, para o dar e receber entre iguais.  Reduzimos o risco de assumirmos um lugar que não nos pertence na relação de ajuda. Exemplo? Cuidar do outro como se fossemos melhor que seus pais.

Intervir o mínimo

Intervir o mínimo possível significa que estamos olhando para o amor oculto com confiança em si e no outro. Essa intervenção funciona como um ajuste de lentes.
Não troca a pessoa que vê e nem para onde ela olha, apenas ajusta o foco. Depois do foco ajustado a ação é de responsabilidade do outro.

Um filme que trata destas questões: O Enigma das Cartas

Este filme belíssimo nos ensina enormemente desde as primeiras cenas. Podemos perceber nele as consequências prejudiciais dos conselhos e do acolhimento feito de forma desajustada. Vemos também a necessidade de confiar na força e sabedoria da família e mais ainda de perceber que trata-se de um grande amor que precisa apenas ser visto.

Andréia Castagna Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *