TJMG lança campanha contra assédio no carnaval
28 de fevereiro de 2019
Escrita Terapêutica - Um recurso da Psicologia Clínica
Escrita Terapêutica – Um recurso da Psicologia Clínica
18 de março de 2019
Exibir tudo

Mulheres que fizeram história na psicologia

São inúmeras as mulheres que traçaram a história e mudaram o rumo da psicologia,  juntas representamos aproximadamente 85% dos profissionais que atuam com a psicologia no Brasil.  Hoje, 08 de março, Dia Internacional da Mulher o Ciclo CEAP lança uma série que homenageia grandes nomes da psicologia e psiquiatria que contribuíram para o pensar e desenvolvimento humano.

Mary Whiton Calkins 1863

Psicóloga, psiquiatra e professora norte-americana nascida a 30 de março de 1863, em Hartford, no estado de Connecticut, e falecida a 26 de fevereiro de 1930, em Newton, no estado de Massachusetts.
Mary Calkins cresceu em Buffalo, no estado de Nova Iorque e, em 1880, a família mudou-se para Newton, estado de Massachusetts. Em 1885, formou-se pelo Smith College e, em 1887, começou a lecionar Grego, como tutora, no Wellesley College, onde permaneceu até ao final da sua carreira docente. Após três anos no Departamento de Grego, um docente do Departamento de Filosofia, reconhecendo o seu talento para lecionar e dada a necessidade de um professor na área da psicologia, aconselhou-a a seguir um programa experimental de psicologia. Mary Calkins foi admitida no Laboratório de Psicologia da Universidade de Harvard (onde a entrada de estudantes mulheres era proibida), após terem sido apresentadas, a seu favor, petições do Presidente do Wellesley College e de seu pai, um ministro presbiteriano importante. Mary Calkins, sob a orientação de William James, apresentou um trabalho doutoral à Universidade de Harvard, mas esta recusou-se, várias vezes, a atribuir-lhe o doutoramento, simplesmente por ser mulher.

Em 1891, regressou ao Wellesley College, onde criou o laboratório experimental de psicologia e onde se tornou professora dessa ciência. Em 1905, foi a primeira mulher a ocupar o cargo de Presidente da Associação Americana de Psicologia, sem ter doutoramento.
Por influência de William James, Mary Calkins interessou-se pelo conceito do self, apresentando uma interpretação introspetiva e funcionalista e preocupando-se em integrá-la com outras teorias, pois defendia a clarificação e enriquecimento da descrição psicológica do self pelos esforços de todos os psicólogos de todos os ramos da ciência. Calkins realizou também estudos sobre a memória humana. Desenvolveu o método “paired-associate” (associar os pares) para estudar as memórias verbais e descobriu que a repetição dos pares aumentava a retenção de palavras.
Mary Calkins publicou os livros An Introduction to Psychology (1901), The Persistent Problems of Philosophy (1907) e The Good Man and the Good (1918).

Margareth Floy Washburn 1871

Margaret Floy Washburn, principal psicóloga americana no início do século XX, era mais conhecida por seu trabalho experimental no comportamento animal e no desenvolvimento da teoria motora . Ela foi a primeira mulher a obter um PhD em psicologia (1894), e a segunda mulher, depois de Mary Whiton Calkins , para servir como presidente da APA (1921).  Uma pesquisa da revista General Psychology , publicada em 2002, classificou Washburn como o 88º psicólogo mais citado do século 20, empatado com John Garcia , James J. Gibson., David Rumelhart , Louis Leon Thurstone , e Robert S. Woodworth .

Washburn foi uma figura importante na psicologia nos Estados Unidos nas primeiras décadas do século XX, aumentando substancialmente o desenvolvimento da psicologia como uma ciência e uma profissão acadêmica. Ela traduziu os sistemas éticos de Wilhelm Wundt para o inglês. Washburn usou seus estudos experimentais em comportamento animal e cognição para apresentar sua ideia de que os eventos mentais (não apenas comportamentais) são áreas psicológicas legítimas e importantes para o estudo em seu livro The Animal Mind (1908). Isso, é claro, contrariava a doutrina estabelecida na psicologia acadêmica de que o mental não era observável e, portanto, não apropriado para investigações científicas sérias.

Além de seu trabalho experimental, ela leu amplamente e baseou-se em experimentos franceses e alemães de processos mentais superiores, afirmando que estavam entrelaçados com tentativas de movimentos físicos. Ela via a consciência como um epifenômeno da excitação e inibição da descarga motora. Ela apresentou uma teoria motora completa em Movement and Mental Imagery (1916). Durante a década de 1920, ela continuou a acumular dados experimentais de todo o mundo para reforçar seu argumento. Ela permaneceu ancorada em princípios behavioristas, mas continuou a defender a mente nesse processo. Ela tomou idéias de todas as principais escolas de pensamento em psicologia, behaviorismo , estruturalismo , funcionalismo e Psicologia da Gestalt , mas rejeitou as teorias mais especulativas da psicodinâmica como sendo muito efêmeras. Na atual pesquisa em psicologia, os ecos da insistência de Washburn de que o comportamento é parte do pensamento podem ser vistos na abordagem de sistemas dinâmicos que Thelen e Smith (1994) usam para explicar o desenvolvimento da cognição em humanos.

Os escritos publicados de Washburn abrangem trinta e cinco anos e incluem cerca de 127 artigos sobre muitos tópicos, incluindo percepção espacial, memória, estética experimental, diferenças individuais, psicologia animal, emoção e consciência afetiva. Em vários momentos de sua carreira, ela foi editora do American Journal of Psychology , do Psychological Bulletin , do Journal of Animal Behavior , do Psychological Review e do Journal of Comparative Psychology . De 1909 a 1910 e depois de 1925 a 1928, ela atuou como Representante de Psicologia na Divisão de Psicologia e Antropologia da Pesquisa Nacional.  Ela se tornou o 30º presidente doAmerican Psychological Association em 1921, um título honorífico na época. Ser presidente da Associação Americana de Psicologia foi um dos sonhos dela crescendo.  Em 1927, ela foi eleita vice-presidente e presidente da Seção 1 (Psicologia) da Associação Americana para o Avanço da Ciência . Em 1929, ela foi eleita para o Comitê Internacional de Psicologia.  Washburn foi a primeira mulher psicóloga e a segunda mulher cientista a ser eleita para a Academia Nacional de Ciências em 1931.  No mesmo ano, ela serviu como delegada dos Estados Unidos no Congresso Internacional de Psicologia em Copenhague.

Margaret Floy Washburn 1871

Washburn foi uma figura importante na psicologia nos Estados Unidos nas primeiras décadas do século XX, aumentando substancialmente o desenvolvimento da psicologia como uma ciência e uma profissão acadêmica. Ela traduziu os sistemas éticos de Wilhelm Wundt para o inglês. [3] Washburn usou seus estudos experimentais em comportamento animal e cognição para apresentar sua ideia de que os eventos mentais (não apenas comportamentais) são áreas psicológicas legítimas e importantes para o estudo em seu livro The Animal Mind (1908). Isso, é claro, contrariava a doutrina estabelecida na psicologia acadêmica de que o mental não era observável e, portanto, não apropriado para investigações científicas sérias.

Além de seu trabalho experimental, ela leu amplamente e baseou-se em experimentos franceses e alemães de processos mentais superiores, afirmando que estavam entrelaçados com tentativas de movimentos físicos. Ela via a consciência como um epifenômeno da excitação e inibição da descarga motora. Ela apresentou uma teoria motora completa em Movement and Mental Imagery (1916). Durante a década de 1920, ela continuou a acumular dados experimentais de todo o mundo para reforçar seu argumento. Ela permaneceu ancorada em princípios behavioristas, mas continuou a defender a mente nesse processo. Ela tomou idéias de todas as principais escolas de pensamento em psicologia, behaviorismo , estruturalismo , funcionalismo ePsicologia da Gestalt , mas rejeitou as teorias mais especulativas da psicodinâmica como sendo muito efêmeras. Na atual pesquisa em psicologia, os ecos da insistência de Washburn de que o comportamento é parte do pensamento podem ser vistos na abordagem de sistemas dinâmicos que Thelen e Smith (1994) usam para explicar o desenvolvimento da cognição em humanos.

Os escritos publicados de Washburn abrangem trinta e cinco anos e incluem cerca de 127 artigos sobre muitos tópicos, incluindo percepção espacial, memória, estética experimental, diferenças individuais, psicologia animal, emoção e consciência afetiva. Em vários momentos de sua carreira, ela foi editora do American Journal of Psychology , do Psychological Bulletin , do Journal of Animal Behavior , do Psychological Review e do Journal of Comparative Psychology . De 1909 a 1910 e depois de 1925 a 1928, ela atuou como Representante de Psicologia na Divisão de Psicologia e Antropologia da Pesquisa Nacional.  Ela se tornou o 30º presidente doAmerican Psychological Association em 1921, um título honorífico na época. Ser presidente da Associação Americana de Psicologia foi um dos sonhos dela crescendo. Em 1927, ela foi eleita vice-presidente e presidente da Seção 1 (Psicologia) da Associação Americana para o Avanço da Ciência .  Em 1929, ela foi eleita para o Comitê Internacional de Psicologia.  Washburn foi a primeira mulher psicóloga e a segunda mulher cientista a ser eleita para a Academia Nacional de Ciências em 1931.  No mesmo ano, ela serviu como delegada dos Estados Unidos no Congresso Internacional de Psicologia em Copenhague.

Melanie Klein 1882

Melanie Klein (Viena, 30 de março de 1882 — Londres, 22 de setembro de 1960), nascida Melanie Reizes, foi uma psicanalista austríaca. Em geral é classificada como uma psicoterapeuta pós-freudiana.

Em 1916, em Budapeste, teve o primeiro contato com a obra de Sigmund Freud e fez análise com Sándor Ferenczi. Estimulada por ele, iniciou o atendimento de crianças. Em 1919 tornou-se membro da Sociedade de Psicanálise de Budapeste. No ano seguinte conheceu Freud e Karl Abraham, no Congresso Psicanalítico de Haia. Abraham convidou-a para trabalhar em Berlim. Em 1921, o marido se transferiu para a Suécia e Melanie permaneceu em Berlim com os filhos.

A partir de 1923, passou a dedicar-se integralmente à Psicanálise e, aos 42 anos, iniciou uma análise de 14 meses com Abraham. Em 1924, no VIII Congresso Internacional de Psicanálise, Klein apresentou o trabalho A técnica da análise de crianças pequenas.

Em 1927, Anna Freud publicou o livro O tratamento psicanalítico de crianças e Melanie criticou suas idéias, dando início a um subgrupo kleiniano na Sociedade Britânica de Psicanálise. No mesmo ano tornou-se membro da Sociedade.

De 1929 a 1946, Melanie Klein realizou a análise em Dick, um menino autista com cinco anos. Em 1930 começou as análises didáticas e o atendimento de adultos. Em 1932 publicou a obra A psicanálise da criança, simultanemante em inglês e alemão; em 1936 realizou conferência sobre O desmame; em 1937 publicou Amor, ódio e reparação, com Joan Rivière; entre 1942 e 1944 elaborou, com discípulos, a sua teoria.

Em 1945 a Sociedade Britânia de Psicanálise foi dividida em três grupos: annafreudianos (freud contemporâneo), kleiniano e independente. Em 1947, aos 65 anos, publicou Contribuições à psicanálise. Em 1955 foi fundada a Fundação Melanie Klein. No mesmo ano foi publicado o artigo A técnica psicanalítica através do brinquedo; sua história, sua significação, escrito a partir de uma conferência de 1953.

Em 1960 ficou anêmica e em setembro foi operada de um câncer do cólon. Morreu no dia 22 de setembro, aos 78 anos de idade.

Karen Horney 1885

Karen Horney  Blankenese, 16 de setembro de 1885 – Nova Iorque, 4 de dezembro de 1952 foi uma psicanalista alemã que trabalhou nos Estados Unidos últimos anos de sua carreira. Suas teorias questionavam algumas visões tradicionais freudianas, especialmente as suas teorias acerca da sexualidade e da orientação instintiva da psicanálise. A ela é creditada a criação da psicologia feminista em resposta a teoria de Freud da inveja do pênis. Ela discordava de Freud sobre as diferenças inerentes à psicologia de homens e mulheres, e as atribuía a diferenças sociais e culturais e não à biologia. Por esse motivo, ela é muitas vezes classificada como neo-freudiana.

Em 1920, Horney assumiu um cargo no Instituto de Psicanálise em Berlim, onde ela lecionou por vários anos.[8]

Em 1923, a empresa de Oskar Horney se tornou insolvente, e Oskar desenvolveu meningite logo em seguida. Oskar rapidamente tornou-se amargurado, rabugento e argumentativo. Foi também em 1923 que o irmão de Karen morreu de uma infecção pulmonar. Ambos eventos contribuíram para piorar o estado mental de Karen. Ela entrou em um segundo episódio depressivo; ela nadou para o mar durante uma viagem e considerou cometer suicídio.

Em 1926, Karen e suas três filhas saíram da casa de Oskar. Quatro anos mais tarde, elas se mudaram para os Estados Unidos, eventualmente se assentando no Brooklyn. O Brooklyn era lar de uma grande comunidade intelectual, devido, em parte, a um grande migração de judeus refugiados da Europa, particularmente Alemanha. Foi no Brooklyn que Karen se tornou amiga de acadêmicos como Erich Fromm e Harry Stack Sullivan, se envolvendo com um deles em uma relação intima, que terminou amargamente.

Horney rapidamente decidiu se tornar reconhecida. O seu primeiro cargo nos Estados Unidos foi como Diretora Associada do Instituto de Psicanálise de Chicago. Foi durante a época que vivia no Brooklyn que Horney desenvolveu suas teorias acerca de neuroses e personalidade, baseada em experiências que teve trabalhando com psicoterapia. Em 1937 ela publicou o livro The Neurotic Personality of Our Time (A Personalidade Neurótica do Nosso Tempo, tradução livre), que se tornou uma leitura popular. Em 1941, Horney era Deacano da American Institute of Psychoanalysis, uma instituição de treinamento para aqueles interessados na instituição da própria Horney, the Association for the Advancement of Psychoanalysis. Horney fundou essa organização depois de se tornar instisfeita com a natureza austera e ortodoxa da comunidade psicanalítica.

O desvio de Horney da psicologia Freudiana a levou a desistir do seu cargo, e logo começou a lecionar na faculdade de medicina de Nova York. Ela também fundou um periódico, chamado the American Journal of Psychoanalysis. Ela continuou lecionando na faculdade de medicina de Nova York e trabalhando como psiquiatra até a sua morte em 1952.

Leta Stetter Hollingworth 1886

Leta Hollingworth foi uma psicóloga americana que conduziu um trabalho pioneiro no início do século XX. É consenso geral que Hollingworth fez contribuições significativas em três áreas: psicologia das mulheres; Psicologia Clínica; e psicologia educacional.

Ela é conhecida por cunhar o termo “talentoso”, embora tenha começado seu trabalho com os “mentalmente defeituosos”, acreditando que a maioria das pessoas era apenas de inteligência mediana e que as pessoas com doenças mentais simplesmente sofriam de problemas relacionados ao desajuste. A superdotação, no entanto, vem de fatores educacionais e ambientais e, assim, Hollingworth acreditava que havia certas maneiras de nutrir talentos e educar crianças superdotadas. “Gifted Children”, escrito por Hollingworth em 1926, descreve os resultados de seu estudo na tentativa de quantificar os antecedentes familiares, a composição psicológica e os traços temperamentais, sociais e físicos das crianças superdotadas. Também inclui sua tentativa de criar um currículo para beneficiar os 50 jovens de sete a nove anos com QI acima de 155.

Anna Berliner 1888

A única mulher premiada com PhD em Wilhelm Wundt, ela era uma especialista em seu tempo na psicologia da percepção visual e uma das primeiras psicólogas a abordar questões culturais. Ela produziu um trabalho inovador em publicidade e testes de inteligência. Ela estudou psicologia em três continentes e escapou da Alemanha nazista. No entanto, apesar de sua ampla gama de atividades, Anna Berliner tem sido largamente ignorada na história da psicologia.

Berliner foi nomeada membro vitalício do Conselho Internacional de Psicólogos em 1963 e foi agraciada com o Prêmio Apollo, uma alta honra da Associação Americana de Optometria, em 1971. Em 13 de maio de 1977, com a idade de 88 anos, Anna Berliner foi assassinada. em sua casa, onde morava sozinha. O assassino, um menino de 13 anos, confessou um ano depois por cometer o crime de raiva. Anna Berliner demonstrou proficiência ao longo da vida como professora, pesquisadora e psicóloga aplicada. Ao descrevê-la, uma colega afirmou: “Ela sempre ensinava”. Ela estava disposta a explicar, desafiar e até revisar, sempre que sua assistência fosse necessária. Ela era conhecida ocasionalmente para pagar anonimamente a mensalidade de estudantes que não podiam pagar. Embora ela não se considerasse uma cruzada na batalha pelos direitos das mulheres, ela abriu novos caminhos convencendo Wundt a permitir que ela estudasse em seu instituto. Berliner ensinou pelo exemplo. Seus altos padrões modelavam bom comportamento profissional e pensamento crítico para seus alunos e colegas. Um exame do trabalho de sua vida também leva à afirmação: “Sempre ela aprendeu”. Ela adaptou seus conhecimentos e habilidades a novas situações, independentemente de escolher ou não essas situações. Ela aplicou seu conhecimento de psicologia em novos fóruns, como publicidade. Ela voluntariamente ensinou a si mesma conceitos em psicologia com os quais ela não estava familiarizada, a fim de ser uma melhor professora. Sua vida e trabalho são resumidos por suas palavras: “Uma vida não utilizada é uma morte anterior”. Claramente, ela viveu e trabalhou por esse lema e, por isso, merece reconhecimento como uma mulher importante na história da psicologia.

Anna Freud 1895

Anna Freud, pedagoga de formação, exerceu essa profissão nos anos de 1914 a 1920. E por um curto período de tempo foi professora infantil, e logo se juntou ao circulo de discípulos de Freud, e então se tornou Psicanalista, com o seu tratamento voltado para crianças, sendo a pioneira nesta área, e estabeleceu clínicas e berçários para crianças que eram vitimas da guerra, sobreviventes do holocausto, ou que estavam sendo atormentadas pelas suas vidas.

Na área da analise infantil Anna Freud aprofundou-se definitivamente nos anos de 1926 e 1927, com o seu livro, O tratamento psicanalítico de crianças, considerada sua obra principal. Mesmo se deslocando da pratica pedagógica para a analítica, Anna Freud continuou a dar importância para a observação direta do comportamento, entretanto passando a ser o tratamento com crianças.

Inez Beverly Prosser 1895

Inez Beverly Prosser , professora e administradora escolar, é frequentemente considerada a primeira mulher afro-americana a receber um Ph.D em psicologia. Depois de crescer no Texas, Prosser foi educado no Prairie View Normal College , na Universidade do Colorado e na Universidade de Cincinnati . Ela foi morta em um acidente de carro pouco tempo depois de ganhar seu doutorado.

Prosser foi uma das figuras-chave no debate sobre como melhor educar os estudantes negros. Argumentos feitos em sua dissertação foram usados ​​nas décadas de 1920 e 1930 no debate sobre a segregação escolar. Sua dissertação “examinou as diferenças de personalidade em crianças negras que frequentavam escolas voluntariamente segregadas ou integradas e concluiu que as crianças negras eram melhor atendidas em escolas segregadas”. [6] Como psicólogas negras, a voz de Prosser foi crucial durante seu tempo e agora porque as vozes e essas histórias da psicologia negra e do psicólogo negro estão ausentes das narrativas da psicologia americana dominante. Embora sua pesquisa de dissertação permaneça inédita, seu trabalho apropriado por outros pesquisadores foi utilizado no debate que antecedeu a Brown versus Conselho de Educação da Suprema Corte dos EUA de 1954, que argumenta que as escolas segregadas eram inerentemente desiguais, exigindo assim a integração nas escolas públicas das nações.  Seus trabalhos sobre o desenvolvimento educacional e identitário de estudantes negros não foram apenas influenciados por sua experiência docente e administrativa, mas por suas únicas experiências em uma escola “colorida” no Texas.

Enquanto Prosser é freqüentemente referida como a primeira mulher afro-americana a obter um PhD em Psicologia, outros acreditam que Ruth Winifred Howard (1900–1997) foi a primeira. Aqueles que argumentam que Howard, que obteve PhD na Universidade de Minnesota em 1934, é a primeira mulher afro-americana a obter um PhD, sustentando a opinião de que um psicólogo é alguém que obteve o diploma em um departamento de psicologia. No caso de Prosser, embora sua “pesquisa de dissertação fosse em psicologia, seu mentor de doutorado e outros membros de seu comitê eram psicólogos, e grande parte de seu curso era em psicologia”, a ela é frequentemente negado o título.

Prosser apresentou um argumento poderoso sobre os efeitos da desigualdade racial na saúde mental das crianças afro-americanas.  Em sua dissertação, ela discutiu caminhos de educação opcionais, explorando razões para fornecer às crianças a oportunidade de serem educadas de acordo com suas habilidades, não com sua condição socioeconômica. Ela citou exemplos de estresse psicológico em estudantes incorridos como resultado de discrepâncias raciais e isolamento racial. Prosser expressou seu apoio a escolas segregadas e as razões pelas quais eles beneficiaram alunos e funcionários, e também forneceu razões pelas quais essa segregação foi prejudicial para todos os estudantes e indivíduos envolvidos. Durante os debates sobre a segregação escolar na década de 1920, muitos de seus argumentos foram citados. Ela era uma voz crítica para a comunidade afro-americana em um momento em que as mulheres acadêmicas eram escassas. As contribuições de Prosser para a melhoria da educação para todos os alunos podem ser sentidas em muitas políticas que ainda estão sendo usadas por toda a comunidade de professores hoje.

Em 1934, ela foi morta em um acidente automobilístico perto de Shreveport, Louisiana.

Nise da Silveira 1905

Nise da Silveira (Maceió, 15 de fevereiro de 1905 — Rio de Janeiro, 30 de outubro de 1999) foi uma renomada médica psiquiatra brasileira, aluna de Carl Jung.

Filha do professor de matemática Faustino Magalhães da Silveira e da pianista Maria Lídia da Silveira, Nise era bastante estudiosa e foi admitida na Faculdade de Medicina da Bahia aos 21 anos. Dedicou sua vida à psiquiatria e manifestou-se radicalmente contrária às formas que julgava serem agressivas em tratamentos de sua época, tais como o confinamento em hospitais psiquiátricos, eletrochoque, insulinoterapia e lobotomia. Nise ainda foi pioneira ao enxergar o valor terapêutico da interação de pacientes com animais.

 

Eleanor Gibson 1910

Gibson acreditava que uma nova visão radicalmente diferente do aprendizado perceptual era necessária. Gibson trabalhou com o marido James em um estudo conjunto para explorar a percepção de rabiscos sem sentido para esclarecer esse conceito de aprendizagem perceptiva. Os participantes foram encarregados de identificar um rabisco padrão de um conjunto de rabiscos semelhantes, variando em muitas dimensões diferentes. A princípio, o rabisco padrão era imperceptível dos outros rabiscos, mas depois de repetidos testes, o rabisco padrão ficou claro. Os participantes foram testados até que o padrão fosse identificado corretamente, sem qualquer correção dada. A Gibson afirmou então que o estímulo continha toda a informação para a percepção, em vez de os participantes aprenderem a perceber através de um processo associativo. Isso resultou no aprendizado perceptivo como sendo redefinido à medida que uma mudança no que foi percebido por um observador se tornou mais sensível aos diferentes aspectos de um estímulo.

Annita de Castilho e Marcondes Cabral 1911

Idealizador e fundadora do Curso de Psicologia na USP, proposto para a Congregação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, em 1953, foi responsável pela formação de seus alunos como pesquisadores, incentivando-os a ir para o exterior com a finalidade de completarem sua formação. O curso começou a ser desenhado com a criação de linhas de pesquisa na Cadeira de Psicologia da Seção de Filosofia, o que se deu em um ambiente hostil, pois havia uma mulher chefiando o grupo de pesquisa e pelo fato de a Cadeira de Psicologia pertencer ao Curso de Filosofia cujas disciplinas não possuíam um perfil nos moldes da ciência de então. O parecer favorável foi dado em 16 de dezembro do mesmo ano.

Mas a criação efetiva do curso se deu apenas em 1957, Lei nº 3.862, de 28 de maio daquele ano. O curso possuía as cadeiras de Psicologia Educacional (Curso de pedagogia) e de Psicologia (Curso de Filosofia), sendo que esta se desdobrou em Psicologia Clínica e Psicologia Experimental e Social. Durante a década de 1950, Annita realizou várias atividades como a organização do I Congresso Brasileiro de Psicologia, ocorrido em 1953. Participou de associações como a American Sociological Association, em 1950 e a Sociedade Interamericana de Psicologia em 1954.

Foi responsável pela criação da revista Boletim de Psicologia, em 1954 e criou a Especialização em Psicologia Clínica, com o auxílio de Durval Marcondes, Aníbal Silveira e Cícero Cristhiano de Souza. Foi conselheira da Secretaria de Educação entre os anos de 1955 a 1956 e presidente da Associação Brasileira de Psicólogos no período de 1957 a 1958.

Junto de outros profissionais da área de psicologia, criou um anteprojeto de criação dos Cursos de Psicologia e da Regulamentação da Profissão de Psicólogos, encaminhado ao Ministério da Educação(MEC) em novembro de 1953. Depois de várias indas e vindas do projeto nos anos seguintes e de sua reformulação, foi promulgada a a Lei 4.119 de 27 de agosto de 1962, que regulamentou a profissão de psicólogo e criou cursos de Psicologia em várias universidades do país.

Annita dedicou-se a melhorar e profissionalizar o Curso de Psicologia, a partir da década de 1960, com desenvolvimento de oficinas, contratação de analistas, instalação de laboratórios, criando um Serviço de Psicologia Clínica e fundando o Jornal Brasileiro de Psicologia[3]. Em 1968, com a reforma universitária e a extinção das cátedras, muitos alunos, alguns deles assistentes de Annita, a pressionaram para renunciar à Cadeira de Psicologia, que ela ocupava informalmente, visto não ter feito concurso para livre-docente, acusando-a de despotismo, e solicitaram sua demissão da universidade. Annita renunciou à Cátedra, que foi transformada no Departamento de Psicologia Social e Experimental, continuando por quase dois anos no Instituto de Psicologia como professora assistente do Departamento de Psicologia Educacional, a convite de Arrigo Angelini.

Annita afastou-se da universidade em 1970 e faleceu em 1991, em São Paulo.

Mary Ainsworth 1913

Mary Ainsworth (1 de dezembro de 1913 – 21 março de 1999)[1] foi uma psicóloga do desenvolvimento norte-americana conhecida por seu trabalho em apego emocional com “A Situação Estranha” bem como no desenvolvimento da teoria do apego.

Madre Cristina Sodré Doria 1916

Brasileira, educadora e psicóloga. Nascida Célia Sodré Dória, religiosa da Congregação de Nossa Senhora – Cônegas de Sto. Agostinho. Filha de advogado, nascida em Jaboticabal (1916), São Paulo, cresceu entre discussões políticas e o aprendizado cristão de respeito e disponibilidade para com o próximo. Formou-se professora e veio para a capital fazer faculdade (1937-1940). Licenciou-se em Filosofia e Pedagogia pela Faculdade Sedes Sapientiae, entrou para a vida religiosa e começou a lecionar para os universitários. Estudou Freud sozinha e mais tarde foi para o exterior complementar os estudos em psicologia (1955).

Frequentou a Sorbonne,fez estágios e viagens. Em 1954 doutorou-se em Psicologia, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Proferiu palestras para estudantes, pais e professores, a convite de universidades e outras entidades. Devido a seu empenho juntamente com outros profissionais, foram criados pelo MEC os cursos de psicologia no Brasil. Publicou vários artigos e livros, entre outros: “Psicopatologia”, Fac.Sedes Sapientiae, SP, 1958, “Psicologia científica geral: um estudo analítico do adulto normal’, Agir, RJ, 1960, “Psicologia educacional)’, Fac.Ijui, RS, 1961, “Educando nossos filhos”, Fac.Sedes Sapientiae, SP, 1968, “Psicologia do ajustamento neurótico”, Vozes, Petrópolis, 1975.

Lutou pela liberdade, pela igualdade de direitos e pela transformação social Na época da ditadura militar, lutou até o desespero para salvar vidas e ideais. Foi chamada de comunista, radical. Recebia ameaças de morte e de prisão. Escondia perseguidos políticos e intermediava encontros . Fundou o Instituto Sedes Sapientiae (1977) que define “como um espaço aberto aos que quiserem estudar e praticar um projeto para a transformação da sociedade, visando atingir um mundo onde a justiça social seja a grande lei”. Faleceu no dia 26/11/97.

Eleanor Maccoby – 1917

Eleanor Emmons Maccoby (15 de maio de 1917 – 11 de dezembro de 2018) foi uma psicóloga americana que é mais reconhecida por suas pesquisas e contribuições acadêmicas para o campo da psicologia infantil e familiar. Ao longo de sua carreira, ela estudou psicologia do desenvolvimento , especificamente, diferenças de sexo, desenvolvimento de gênero, diferenciação de gênero, relações entre pais e filhos, desenvolvimento infantil e desenvolvimento social a partir da perspectiva da criança.

Zerka T. Moreno 1917

Zerka Toeman Moreno nasceu em Amsterdã em 13 de junho de 1917 e, mais tarde, em 1932, Moreno mudou-se para Londres. Em 1941 ela conseguiu transferir sua irmã mais velha da Bélgica para Nova York, para buscar tratamento para a doença mental de sua irmã.

Moreno foi um dos co-fundadores da Associação Internacional de Psicoterapia de Grupo .

A contribuição de Moreno para o campo da psicoterapia de grupo e do psicodrama começou imediatamente após o encontro com o Dr. JL Moreno . Um ano depois de sua reunião, JL e Moreno fundaram o Instituto Sociométrico na Park Avenue, em Nova York. Estabeleceram o Instituto Psicodramático em Nova York em 1942. Eles começaram a produzir a revista Group Psychotherapy (originalmente chamada Sociatry ) em 1947, publicando um volume de pesquisa documentando sua aplicação e refinamento para as ciências sociais da sociatria, psicodrama e sociometria . Moreno foi sócio e co-criador de JL Moreno por mais de trinta anos até sua morte em 1974.

Moreno continuou treinando e ensinando a teoria e o método psicodramático por mais de 30 anos desde a morte do Dr. Moreno, treinando psicodramatistas em todo o mundo. Moreno é reconhecido como um líder em perceber ainda mais a visão do Dr. Moreno em trazer este método para as vidas das comunidades em todo o mundo. Nos anos 2000, ela morava em Charlottesville, Virgínia .

Moreno morreu em Rockville, Maryland, em 19 de setembro de 2016, aos 99 anos de idade.

Mamie Phipps Clark 1917

Como a cidade de Nova York (e outras localidades do país) debatem a escassez de estátuas que comemoram as mulheres – e particularmente mulheres de cor – pode-se legitimamente imaginar: “Onde está a estátua da Dra. Mamie Phipps Clark?” Como a primeira mulher negra a Doutor em Psicologia pela Columbia University em 1943, Clark foi, sem dúvida, um dos americanos mais influentes dos últimos 100 anos. Alguns americanos podem estar cientes de sua pesquisa psicológica seminal usando o “Teste de Boneca” na década de 1940. Suas descobertas demonstraram que crianças negras e brancas expressaram preferências por bonecas brancas e atribuíram atributos negativos a bonecas negras. Outros podem até estar cientes do monumental papel social que sua pesquisa desempenhou na dessegregação das instituições acadêmicas americanas em 1954. Mas a maioria não tem consciência da mulher inspiradora por trás das realizações.

Clark foi um das primeiras psicólogas cuja pesquisa foi citada em uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, Brown vs. Board of Education . Dissertação de Mestrado, Desenvolvimento da Consciência do Eu em Crianças Negras Pré-Escolares foi a base do marco dos Estudos de Teste de Boneca. Os estudos foram apresentados à Corte como evidência de que, aos 3 anos de idade, as crianças negras desenvolvem sentimentos de inferioridade e ódio por causa do racismo, discriminação racial e segregação que vivenciam no sistema escolar dos EUA. Os juízes foram influenciados pelas evidências; O chefe de justiça Earl Warren escreveu: “Separar-se de pessoas de idade e qualificações similares unicamente por causa de sua raça gera um sentimento de inferioridade quanto ao seu status na comunidade que pode afetar seus corações e mentes de uma maneira improvável de ser desfeita”.

Carolina Martuscelli Bori 1924

Liderou várias campanhas sobre o exercício profissional do psicólogo e foi o registro numero um no conselho da categoria por ser a única mulher dentre os constituintes. Batalhou pelo currículo mínimo para a graduação e pela implantação do curso de pós-graduação em Psicologia. Presidiu e participou de inúmeras comissões para criação de cursos de Psicologia e de pós-graduação em todo o país defendendo a obrigatoriedade de uma porcentagem de disciplinas com trabalho de campo ou laboratório e solicitando auxílios às instituições de fomento.

Carolina Bori intermediava contatos com a administração da universidade para importar equipamentos em tempos difíceis. Fazia congressos com grupos de colaboradores e divulgava os princípios de análise do comportamento pelo Brasil propiciando condições para a vinda do professor Fred Keller, fato fundamental para a Psicologia no Brasil, como vemos em diversos artigos de revistas cientificas da época (Keller, Bori e Azzi, 1964; Keller, 1974; Bori, 1974; Kerbauy, 1983).

Como uma das poucos doutoras em Psicologia nos anos 60 e como professora em cursos de pós-graduação, Carolina orientou mais de cem teses e dissertações em uma época na qual não havia limite no número de orientandos, dadas as condições existentes. Teve parceria de trabalho e pesquisas com Lígia Maria de Castro Marcondes Machado. Formação de pesquisadores e produção de conhecimento eram suas preocupações e sempre as via como necessidade urgente. Partia da formulação do problema para tomar decisões, buscar soluções e conseguir resultados.Traduziu livros básicos para a formação dos alunos, quando eram poucas as opções bibliográficas existentes.

O nome de Carolina está ligado a associações como a Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e, antes disso a Associação de Psicologia de São Paulo. Foi presidente de todas elas e membro atuante, mesmo que não estivesse participando diretamente da diretoria.

Participou das lutas para o desenvolvimento da Psicologia e Ciência no Brasil. Até o fim de seus dias, Carolina participou de comissões e organizações cientificas, debatendo o significado de ações e a necessidade de pontuar outras. Convivendo com cientistas de várias ciências no Conselho da SBPC, Carolina tinha uma visão sobre como a Psicologia deveria trabalhar para ganhar respeito de outras áreas do saber e auxiliar a sociedade em geral. Manteve a ênfase em pesquisa básica e aplicada e na colaboração com outras áreas de conhecimento.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *