Possessividade e ciúme

Regina Navarro Lins

A maioria das pessoas que responderam à enquete da semana já fez alguma cena de ciúme. A expressão “monstro dos olhos verdes”, para falar do ciúme amoroso, remonta a Shakespeare, no Ato III, do seu Otelo, em que este, transtornado pelo ciúme, mata sua inocente esposa Desdêmona.

Ciúme é basicamente isso: sofrer por uma situação hipotética, na qual o ciumento faz interpretações, muitas vezes equivocadas, dos sinais que percebe. Contudo, estudos mostram que quase todos os homens e mulheres experimentaram pelo menos um episódio de ciúme intenso, difícil de controlar. E entre os que admitem ser ciumentos, 38% dizem que o ciúme os tem levado a querer ferir alguém.

O ciúme envolve uma espécie de ansiedade de abandono. Para superar os crescentes sentimentos de impotência, o ciumento se esforça por sufocar o outro. Seus interrogatórios e pedidos de garantia de fidelidade fazem parte das tentativas de controle.

Picasso, o grande pintor espanhol, por exemplo, exercia demasiado controle sobre as mulheres que amava. Fernanda, uma delas, foi à sua casa para posar como modelo e acabou ficando nove anos. Extremamente ciumento, para não perdê-la, escondia-lhe todos os sapatos, de modo que ela não pudesse sair de casa.

Alguns consideram o ciúme universal, inato. Outros, entre os quais me incluo, acreditam que sua origem é cultural, mas é tão valorizado, há tanto tempo, que passou a ser visto como parte da natureza humana. De qualquer forma, não há dúvida de que a relação amorosa sempre foi prejudicada pelo ciúme. Inicialmente, o medo do homem estava ligado à falsificação da descendência — deixar a herança para um filho que não fosse seu. Por conta disso, as mulheres foram aprisionadas durante milênios.

A pílula anticoncepcional, na década de 1960, trouxe a separação definitiva entre sexo e reprodução e, consequentemente, a igualdade de condições entre homens e mulheres nessa área. Mas por que o ciúme é aceito como fazendo parte do amor? Por que se defende a sua presença numa relação amorosa, mesmo sabendo que o preço a pagar é tão alto?

Encontramos ao menos parte da resposta na forma como o adulto aprendeu a viver o amor, que é, em quase todos os aspectos, semelhante ao modo que a criança vive a relação amorosa com a mãe. Por se sentir constantemente ameaçada de perder esse amor — sem o qual perde o referencial na vida e também fica vulnerável à morte física — a criança se mostra controladora, possessiva e ciumenta, desejando a mãe só para si.

Na idade adulta, é através da pessoa amada que se tenta satisfazer as necessidades infantis. Reeditando a mesma forma primária de vínculo com a mãe, o antigo medo infantil de ser abandonado reaparece, e a pessoa amada se torna imprescindível. Não se pode correr o risco de perdê-la. O controle, a possessividade e o ciúme passam, então, a fazer parte do amor.

Quando a pessoa consegue elaborar bem a dependência infantil e também se libertar da submissão aos valores morais, se percebe menos ciumenta. Caso contrário, podem reaparecer as antigas inseguranças, com exigência de exclusividade no amor.

A questão do ciúme está diretamente ligada à imagem que cada um faz de si. Quem tem a autoestima elevada e se considera interessante e com muitos atrativos não supõe que será trocado com facilidade. E se a relação terminar, sabe que vai ficar triste e sentir saudade, mas também sabe que o mundo não vai acabar por isso.

Fonte: Uol Mulher

Cursos Relacionados:

Sexologia Clínica – enfoque da Terapia Cognitiva

Terapia de casal

 

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo