Atendimento de grupos na abordagem cognitivo-comportamental
Seminário Gratuito: Atendimento de grupos na abordagem cognitivo-comportamental
16 de março de 2022
Relação entre dor de cabeça e emoções
As feridas da alma e a dor de cabeça
17 de março de 2022
Exibir tudo

Psicobióticos podem ser aliados da sua saúde mental, mostra estudo

Uma revisão publicada na revista Food Research International mostra que micro-organismos vivos com atuação no cérebro e no desempenho cognitivo, chamados psicobióticos, podem sintetizar e regular a expressão de neurotransmissores. O estudo também descreve os potenciais efeitos terapêuticos dos alimentos fermentados na saúde mental.

O que são psicobióticos?

Não é novidade que a microbiota intestinal desempenha diversas funções no organismo humano. Para que ela esteja em equilíbrio e promova saúde em geral, recomenda-se, entre outras coisas, o consumo de alimentos ricos em probióticos.

Além disso, cada vez mais têm surgido evidências apoiando o papel da microbiota na fisiologia do cérebro e na resposta ao estresse.

Assim, surge o conceito de psicobióticos. Enquanto os probióticos são vistos como micro-organismos vivos que trazem benefícios à saúde e podem ser encontrados em iogurtes e outros alimentos fermentados, os psicobióticos referem-se a uma classe desses micro-organismos, cujos efeitos atingem também a saúde mental por meio de um diálogo dinâmico entre microbiota, intestino e cérebro.

Recentemente, estudiosos estenderam o conceito de psicobióticos também aos prebióticos, ou seja, as fibras, que servem de alimento para os probióticos, contribuindo para o seu crescimento.

Diante disso, a revisão desenvolvida pela pesquisadora Melania Casertano, sob orientação de Vincenzo Fogliano e Danilo Ercolini, teve como objetivo fornecer:

  • Uma visão geral da relação cérebro-microbiota-intestino;
  • Evidências pré-clínicas e clínicas do uso de psicobióticos e de seus potenciais efeitos na função cerebral e no desempenho cognitivo;
  • Uma discussão sobre os possíveis benefícios dos alimentos fermentados na saúde mental.

Entenda melhor a relação cérebro-microbiota-intestino

A microbiota intestinal é composta por trilhões de bactérias que residem no trato gastrointestinal do hospedeiro em uma relação simbiótica, ou seja, beneficiando tanto os micro-organismos quanto os seres humanos.

Ela é responsável por atividades fisiológicas fundamentais, como motilidade intestinal, regulação da imunidade, síntese de vitaminas, digestão e metabolismo energético. Na verdade, alguns autores sugerem até mesmo que a microbiota seja um órgão, diante de outras funções descobertas, incluindo sua atuação no cérebro.

Como nos mostra a revisão, essa relação entre intestino-cérebro vem sendo estudada há décadas. Em 1998, Michael Gershon, professor de patologia e biologia celular, cunhou o termo “segundo cérebro” para se referir ao intestino.

No entanto, hoje acredita-se que o termo “eixo microbiota-intestino-cérebro” seja mais apropriado, pois descobriu-se que os micro-organismos intestinais também atuam ativamente nesse contexto.

Essa comunicação se dá através de múltiplos sistemas que compreendem o Sistema Nervoso Central (SNC), a microbiota intestinal, o sistema nervoso entérico (composto por neurônios e outras células situadas no trato gastrointestinal) e os sistemas endócrino e imunológico.

Evidências do uso de psicobióticos e seus efeitos na saúde mental

A revisão esclarece que a maioria dos neurotransmissores comuns no cérebro humano, como ácido gama-aminobutírico (GABA), acetilcolina, serotonina e outros, podem ser sintetizados pelos micro-organismos presentes no intestino.

Por exemplo, 95% da serotonina do corpo é produzida por células do trato gastrointestinal em resposta à microbiota intestinal e está associada à regulação da secreção e motilidade do intestino, bem como ao ajuste da cognição e do humor nas vias cerebrais.

Em um estudo recente, lactobacilos produtores de GABA (neurotransmissor responsável por inibir o Sistema Nervoso Central, proporcionando sensação de calma, por exemplo) chamaram atenção devido às suas potenciais aplicações terapêuticas em camundongos, sugerindo que os psicobióticos podem influenciar a função cerebral por meio da regulação nas concentrações desse neurotransmissor.

A microbiota intestinal também pode sintetizar uma ampla gama de metabólitos, como os ácidos graxos de cadeia curta. Acetato, butirato e propionato estão entre os principais produtos da fermentação bacteriana de fibras alimentares.

Eles podem modular vários processos fisiológicos, regular a produção de muco no trato gastrointestinal, reduzir a interação entre as células epiteliais e microrganismos e agentes tóxicos e servir de energia para as células intestinais, influenciando o eixo intestino-cérebro.

Um dos estudos avaliados mostra, também em camundongos, a diminuição na ansiedade associada ao conteúdo de ácidos graxos de cadeia curta, especificamente do acetato.

Benefícios dos alimentos fermentados por psicobióticos na saúde mental

A fermentação é um processo anaeróbico (acontece sem a presença de oxigênio) no qual micro-organismos como leveduras e bactérias transformam nutrientes dos alimentos (por exemplo, açúcares como a glicose) em energia e outros produtos (ácidos orgânicos, gases, álcool). Isso dá aos alimentos fermentados sabor, aroma, textura e aparência característicos.

Alguns exemplos de alimentos e bebidas fermentados são: leite fermentado; iogurte; queijos; pães; vinhos; chucrute; kimchi; missô.

Recentemente tem sido dada muita atenção às propriedades desses alimentos por seus possíveis benefícios à saúde, como melhora da digestibilidade, redução na pressão alta, controle do colesterol, melhora da imunidade e manutenção da função intestinal.

De acordo com a revisão, esses alimentos podem apresentar efeitos distintos no cérebro a depender das matérias-primas utilizadas, o método de fermentação ou os micro-organismos envolvidos.

Por exemplo, um experimento mostrou que o leite fermentado, rico em Lactobacillus brevis, melhorou a ansiedade e a qualidade do sono de camundongos, provavelmente devido a aumentos significativos dos ácidos graxos de cadeia curta no intestino, que estão relacionados a mudanças na composição da microbiota.

Em outra pesquisa, o iogurte, rico em Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium lactis, consumidos por trabalhadores petroquímicos por 6 semanas, apresentaram efeito positivo na saúde mental geral.

Alga Saccharina japonica também chamada “kombu”, apresenta Lactobacillus brevis e foi consumida por participantes saudáveis de um estudo durante 4 semanas ao final das quais foram observadas alterações positivas na capacidade de memória.

Os estudiosos também lembram que os prebióticos fornecem substratos para o metabolismo dos probióticos, o que também poderia contribuir com o desempenho cognitivo.

Precisamos de mais estudos sobre psicobióticos!

A revisão mostrou que os psicobióticos diferem dos probióticos convencionais pela sua capacidade de produzir ou estimular a produção de neurotransmissores, ácidos graxos de cadeia curta, hormônios e outros metabólitos.

Também reforça as evidências de que a microbiota intestinal está envolvida na transmissão de informações entre o intestino e o cérebro, envolvendo vias neurais, imunes e endócrinas.

No entanto, também chama a atenção para que mais estudos sejam realizados, pois muitos daqueles avaliados foram realizados em modelos animais e mesmo as pesquisas com seres humanos podem ser insuficientes pelas análises de curto prazo e outros vieses.

Além disso, os autores apontam a necessidade de elucidações quanto ao efeito terapêutico em diferentes grupos de pessoas, mecanismos de ação e questionam se as respostas neurológicas requerem uso contínuo ou são duráveis.

Enquanto aguardamos as respostas, pode consumir alimentos fermentados que lhe agradam, com moderação, sem neuras e sempre buscando uma relação de paz com a comida e com o corpo!

Bon appétit! Sophie Deram

Fonte: https://www.uol.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.