Recursos e técnicas para trabalhar as questões de orientação sexual e identidade de gênero

Temos que estar preparados para atender uma das maiores demandas no consultório

Ao atender clinicamente um paciente com conflitos sobre orientação sexual e identidade de gênero, temos que primeiramente fazer um autoquestionamento sobre nossa posição pessoal em relação a estas questões, para decidir com segurança se podemos ajudar esta pessoa com imparcialidade e verdade.

Temos que ter a consciência de que este não é um problema que deve ser mascarado, evitado ou revertido, mas sim compreendido como uma condição humana, que apesar de ser revestida de preconceitos pela sociedade, deve ser respeitada e aceita como natural e normal. Atuamos em nome de uma ciência que assim entende a diversidade sexual.

As pessoas que procuram ajuda por que estão vivenciando conflitos em relação a sua condição, normalmente chegam ao consultório muito ansiosas, apresentando muitas vezes depressão e transtornos psicossomáticos.

Antes de trabalhar as questões relativas ao problema que o paciente traz, é sensato usar algumas técnicas para diminuir a ansiedade e ensiná-lo a usar algumas delas nos intervalos entre as consultas.

Tenho observado que quanto maior o repertório de recursos, mais o psicólogo amplia seu potencial de ajuda dinamizando o processo psicoterapêutico.

Vou citar algumas que considero muito efetivas, mas existem muitas outras que também são igualmente adequadas para este contexto e muitas outras situações na prática clínica.

Mindfullness

As técnicas de Mindfullness são impressionantemente eficazes para este objetivo. Elas exercitam o “estar presente” através de vários exercícios que “educam a mente” e devem se tornar uma rotina, independente da terapia. O Mindfullness além de controlar a ansiedade promove a criação de novas sinapses, melhorando a memória, o sono e diversas outras funções cerebrais.

Diminuir a ansiedade vai ajudar bastante no processo terapêutico que favorece o autoconhecimento, consciência e auto aceitação, que são recursos pessoais fundamentais para o assumir a própria condição.

Este estado menos ansioso favorece o equilíbrio para o enfrentamento das possíveis situações adversas que possam surgir, e facilita o acesso a própria força para reestruturar a vida.

Terapia Cognitiva e Hipnose Cognitiva

A Terapia Cognitiva e especialmente a Hipnose Cognitiva são também ferramentas muito valiosas neste objetivo.

A Hipnose proporciona um relaxamento profundo onde a pessoa pode mudar a sua percepção da realidade pela condução do pensamento e das emoções causadas por eles.

O paciente normalmente traz uma preocupação e foco no que ele sente.  Porém ele normalmente desconhece que o que ele pensa é que provoca seus sentimentos. Sustentando os pensamentos estão as crenças que a pessoa formou ao longo da vida.

As crenças são frutos de uma construção imaginária a partir da interpretação que a pessoa fez das suas vivências, do que ela ouviu sobre si e sobre o mundo, e são o alicerce sobre o qual ela interpreta sua realidade. Elas ajudam a traçar o mapa de mundo da pessoa e se referem principalmente à sua autoimagem, sua percepção do seu contexto familiar e social, e sua projeção sobre o que sua condição pode causar na sua vida.

Estas crenças são formadas ao longo da existência, e podem ser relativamente passíveis de transformação ou podem ser mais cristalizadas, mais rígidas, porém mesmo assim podem ser trabalhadas.

Quando o paciente começa a identificar os pensamentos que causam sua ansiedade, o terapeuta pode questionar estes pensamentos e com isso chegar as crenças que estão sustentando este quadro de ansiedade. No transe hipnótico o paciente acessa mais facilmente estes conteúdos psíquicos principalmente pelo relaxamento da autocensura.

A Terapia Cognitiva aliada a Hipnose Cognitiva são ferramentas que potencializam significativamente o processo terapêutico, ampliando a percepção da situação e das diversas possibilidades de enfrentamento do conflito.

Psicodrama

Outra ferramenta muito interessante é o Psicodrama. Através da dramatização, a pessoa simula situações, experimenta os vários papéis nas situações hipotéticas, e tem a oportunidade de sentir previamente e vivenciar diversas situações, que podem prepara-la para possíveis situações reais. Quando o paciente percebe e simula alternativas de enfrentamento ele fica mais forte e preparado quando a situação acontece na vida real. O Psicodrama pode ser aplicado na terapia individual e em grupo.

Constelação Familiar

A Constelação Familiar é também um instrumento que pode ajudar bastante. Ela parte do pressuposto de que repetimos histórias familiares, e nossos conflitos ecoam pendências transgeracionais.

Ela baseia-se na premissa de que uma consciência familiar rege nossa vida. O objetivo é identificar muitos dos males que nos afligem, e através da energia do amor, desatar nós e abrir novas possibilidades para o futuro. Ela pode ser feita em grupo ou individualmente através de bonecos.

A Constelação é um recurso muito útil no momento em que a família está sendo o foco do conflito da pessoa que está assumindo sua condição homossexual.

Psicoterapia Sistêmica

Os recursos da Psicoterapia Sistêmica são também importantes instrumentos facilitadores.

A abordagem sistêmica parte do pensamento sistêmico, que tem como premissa que tudo está inserido em uma cadeia interrelacional em que cada pessoa, fato ou situação tem influência direta sobre tudo e todos a sua volta.

Esta linha terapêutica trabalha muito com metáforas, tarefas e exercícios, e muitas vezes inclui  outras pessoas do contexto do paciente nas sessões de psicoterapia.

As tarefas terapêuticas, os jogos e os desafios têm muito efeito prático no lidar com a própria condição. A pessoa pode ir experimentando situações, exercitando comportamentos e se preparando para os desafios que podem vir.

Os atendimentos inclusivos, com membros do sistema do paciente, como família, amigos e parceiros, podem ser muito úteis para ampliar a percepção de pertencimento do indivíduo, suas interações, e sua importância neste complexo sistema social onde tudo influencia tudo.

Escuta e intervenções ricas

Independente da linha terapêutica de formação básica do psicólogo, a escuta e as intervenções ricas de recursos são catalizadoras, e promovem um resultado mais rápido.

Enfim, quanto mais o psicólogo estiver preparado, mais ele poderá ajudar seu paciente a encontrar uma forma de assumir sua verdade com segurança e paz interior.

Luciana Lemos

Artigo anteriorPróximo artigo